HAPPY TOPOGRAPHIES [lugares terrívelmente felizes]

Gabi Bresola, a partir de Damien Rudd

2018
 

Uma caixa-capa branca com título e créditos em Helvetica preta no ofsete branco 240g/m². Em seu interior, está o trabalho de postais em forma de livro blocado, no qual cada página é um cartão no tamanho de 13x7cm: em um dos lados vem a imagem “printada” do Google Maps [verde (para área de terra), cinza (nos nomes e demarcações) e azul (na área de água)] com o nome do município; e, em seu verso, o nome do lugar e sua localização topográfica.

 

Este trabalho é uma apropriação artística e editorial da publicação Sad Topographies, publicado pelo Estúdio Margem, em parceria com o artista Damien Rudd (estudiomargem.com.br/#sad-topographies/3). Damien é um artista que compila locais do Google Maps com os nomes mais deprimentes do mundo. Possui uma conta no Instagram Sad Topographies, onde posta frequentemente prints do Google Maps com a localização que evidencia seus nomes.

 

Happy Topographies [lugares terrivelmente felizes] apropria-se da operação de Rudd no que se refere à compilação de nomes, só que ao contrário: reúne nomes de cidades do Sul do Brasil que expressam felicidade, bem-estar & alegria.

 

Bom Retiro, Paraíso, Novo Horizonte, Barra Bonita, Campo Bom, Encantado, Vale do Sol, Paraíso do Sul, Harmonia, Alegria, Vila Flores, Esperança do Sul, Alto Feliz, Vista Alegre, Boa Vista do Sul, Lagoa Bonita do Sul, Monte Belo do Sul, Boa vista do Cadeado, Nova Boa Vista, Alto Alegre, Capão Bonito, Nova Esperança, Bela Vista do Paraíso, Paraíso do Norte, Jardim Alegre, Céu Azul, Nova Aurora, Bom Sucesso, Boa Ventura, Boa Esperança, Campo Bonito, Rancho Alegre… são alguns dos nomes terrivelmente felizes de municípios do Sul do Brasil. A escolha se deu pela pesquisa e observação do povo que vive em cada uma dessas localidades, e em como as nomenclaturas revelam questões sobre elas.

 

A colonização do Sul é formada, basicamente, por italianos, alemães, poloneses e ucranianos, e o período em que ocorreu, de algum modo, explicam alguns nomes que demonstram uma ideia feliz de “mundo novo”, que “fundaram” nas “terras que conquistaram”. Além desses nomes, outros, que não fazem parte da publicação, como “Nova Trento”, “Nova Hamburgo”, “Nova Veneza” e “Treviso” reforçam a força dos europeus na constituição dos municípios ao lado de muitos outros com nome de raiz Guarani. Quando um lugar vira posse de alguém, e seu nome é dado apartir da situação, depois do tempo passado, é possível pensar no porquê ele se chama de determinado modo? Os nomes fundam os lugares ou os lugares suscitam seus nomes?