é uma plataforma experimental de publicações de artista pensada, gerida e editada por Gabi Bresola. 

é uma editora de uma pessoa só — mesmo que acompanhada de diferentes pessoas em cada projeto.

hoje, funciona no tempo de

um vórtice embalado pelo decrescimento sereno. ela

abre quando eu estou e fecha quando eu deixo de estar.

se tentar contato ou não me encontrar é porque ainda não cheguei ou já saí. 

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/12

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/7
1-pode-ser.gif

​Em 2011, assumi uma editora comercial ao mesmo tempo em que iniciei a graduação em artes visuais. Deste modo, entre a cultura do livro e das artes, meu interesse ficou voltado para a experimentação em publicações de artista. 

Editar e publicar nas artes visuais não se resume a uma variação tão simples ao processo de edição de livros tradicionais. Neste campo, os conceitos preestabelecidos se modificam, as funções figuras e nomenclaturas se sobrepõem e se confundem por moverem questões técnicas e relacionais, foi pensando nisso que fiz a primeira pesquisa sobre edição no trabalho de conclusão de curso, o editora pessoa física pessoa jurídica.

Em 2014, fiz um cartão de instrução pensando em uma editora como um projeto artístico. Ao longo dos anos, executei a instrução criando a editora miríade edições, e foi a partir desta editora que participei de eventos de arte, feiras de publicação, seminários de pesquisa e editei cinquenta publicações — parte delas realizadas na prática, parte delas como publicações a serem realizadas e parte que existem apenas como ideia e texto, mas todas descritas e colocadas no catálogo com a mesma verossimilhança. São trabalhos que transitam entre a apropriação de texto,  desdobramentos de exposições, tradução de trabalhos (de idioma e forma), exposições impressas, reimpressas, edições fac-similares, cartazes, intervenções, entre outras coisas.

Essa experiência foi se desdobrando em texto, em uma pesquisa de mestrado que articulando teoria, descrição técnica e relato, trata da edição como uma prática artística, literária e curatorial. O resultado (chamado de dissertação pela academia) é composto por dois livros: um livro-catálogo chamado “editora editora” e um caderno extra de paratexto chamado “escrever publicações", disponíveis para leitura aqui.

Na ocasião da defesa, em 2019, além de apresentar minhas investigações sobre a edição como uma prática artística e minha linguagem como artista visual, realizei uma exposição com objetos dos processos editoriais e as publicações realizadas na prática, revelando todas as camadas ficcionais e conceituais do percurso de existência da editora.

 

A pesquisa editora editora foi desenvolvida com a orientação de Regina Melim, e a banca de qualificação e defesa com Amir Brito Cadôr, Lívia Aquino e Raquel Stolf. As publicações, viagens, costuras e impressões tiveram a colaboração de Marcos Walickosky, com quem também divido a coordenação da feira flamboiã.

Em 2020, a miríade edições passa a se chamar com o mesmo nome da pesquisa: editora editora, representando nesse binômio  que conjuga uma editora como uma profissão (substantivo feminino, que determina o que sou no que faço) e uma editora (como uma casa ou espaço editorial que determina a produção, difusão e circulação do que é feito).

As publicações apresentadas neste site, datadas de 2014 a 2019 são parte constituinte da pesquisa e do catálogo, deste modo, nem todas estão disponíveis na forma física.

Fique à vontade.


Se quiser falar com a gente/comigo,

escreva para gabibresola@gmail.com


Gabi Bresola

________________________________________

2-é.gif