624B6BCC-FBC1-4091-8548-FEA7408F8437.jpeg
432B2DAC-D640-4084-9133-8DAE4A9C89C2.jpeg
A08B10C6-5025-42D3-8935-D20DC8DCB587.jpeg

LULALIVRO

de Gabi Bresola e Silfarlem Oliveira
2018

Livro em formato A4 fechado. Na capa, o título “LULALIVRO” é colocado na fonte Galderglynn Titling Bl, a mesma utilizada nas peças gráficas da campanha eleitoral para presidente pelo Partido dos Trabalhadores. Em seu interior, uma folha de papel sulfite em formato A3, dobrada, se abre com a área completamente preenchida da repetição “lulalivro”, em caligrafia manual cursiva (escrita por Marcos Walickosky, com a mão esquerda), formando grades horizontais. Na terceira capa, espaço onde geralmente se inserem as fichas de entrada e saída dos livros nas bibliotecas, está impressa uma tabela com o cabeçalho contendo “data”, “entrada” e “saída”. Algumas linhas estão em branco, na terceira delas, é indicada a data de entrada e saída da prisão de Lula nos anos 1980. Abaixo, aparece preenchida apenas a coluna de entrada com a data de 7 de abril de 2018, para que a coluna de saída seja preenchida por quem compra. O formato e a quantidade de exemplares foram pensados a partir do tamanho da prisão do (ex-)presidente, preso político, Luiz Inácio Lula da Silva. O preço de capa é de 13 reais, e 13% de cada exemplar vendido é destinado à conta do acampamento Lula Livre, instalado em frente ao presídio, em Curitiba.

 

Os livros são acompanhados do texto a seguir: “A corda vermelha, aquela corda vermelha ainda faz livro? Amarra e junta as páginas”, “cada página um livro infinito”? ou “cada página uma prisão”? Le Livre (Ler Livre). Se livrar ou livrar-se. Pessoas são pessoas e livros são livros? Ambos não são corpos? Pela frente um livramento. Livro, formato da ficção estruturante. Como livrar? A data de entrada, no colofão carcerário consta 07 de abril de 2018, a data de saída não é anunciada. Uma e três prisões: a prisão da linguagem (escrita), a prisão da página, a prisão dos corpos. Como uma ladainha, da esquerda para direita, caligraficamente as letras (as operárias invisíveis da linguagem) se intercalam unidas, sem interrupção, em idas e vindas. As medidas da página (prisão gráfica) são proporcionais em escala de 1:25 ao tamanho da prisão dos corpos não gráficos. A tiragem dessa livragem arrasada está assentada no tamanho do solo, corpo de material enquadrante em sua fase (só)lida, delimitado pelas precisas barreiras métricas quadradas de tamanho 15 (5 x 3m). Dividindo essa livragem de solo pelos múltiplos do mesmo (lula livro), chegamos a um entablamento aglomerado composto por unidades (não exemplares). As linhas nas páginas formam a grade. Livre o livro, livre os corpos da linguagem no livro, livre os corpos. O enredo final dessa narrativa desemboca no seu meio, e seu meio no seu fim, seu fim no seu começo. Recomeçando, Lula livro. Recomeçando, LULALIVROLULA”.